Santos e sua pista de kart indoor, berço de campeões para o automobilismo nacional

Em meados dos 1990, o setor de entretenimento no Brasil experimentou uma febre diferente, a dos karts indoor. A atividade automobilística, na Baixada Santista, tinha seu espaço maior na cidade de Cubatão, onde existia desde 1981, o Kartódromo Nelson Piquet, responsável por dar início à formação de uma legião de praticantes locais no esporte das pistas.

Inspirado pelo legado de Senna

O maior ídolo do automobilismo nacional, Ayrton Senna da Silva, havia falecido em 1994, durante o Grande Prêmio de San Marino de Fórmula 1, em 1º de maio. Assim, muito da nova moda se deu por inspiração e por conta do estímulo que parte da equipe do piloto brasileiro trouxe para o país, visando não só entretenimento das pessoas, mas também a formação de novos pilotos (Ayrton Senna começou sua carreira no Kart). Tanto é, que um dos primeiros kartódromos deste período foi justamente o criado por Roberto Guerra, ex-chefe da escuderia de Senna, em Interlagos.

kart1

O Kartódromo Indoor de Santos fez muito sucesso nos anos 1990, gerando até nomes para o automobilismo nacional

Em Santos

Na esteira do entusiasmo, os santistas também tiveram o privilégio de receber um espaço dedicado exclusivamente para a atividade. O “point”, tido como de “primeiro mundo”, recebeu o nome de Indoor Center, e situava-se na Avenida Ana Costa, 17. Os empreendedores resolveram não só instalar a pista de kart, mas também investiram numa pista de patins (roller) e mini-golfe.

Na inauguração, ocorrida em janeiro de 1996, várias provas foram planejadas, com diversos convidados da região, incluindo-se a vitoriosa equipe de vôlei feminino do BCN/Guarujá (então vice-campeã da Liga Nacional), que participou da Corrida do Batom.

A ideia de criar o empreendimento partiu do empresário Carlos Edgar Lopes, o Tita, que bolou o traçado da pista quem tinha 220 m de comprimento. E até que não foi muito difícil para ele, pois Tita competiu durante cinco anos de Kart, tendo sido vice-campeão brasileiro em 1991. E, durante esses anos, disputou provas em praticamente todas as pistas brasileiras. Por essa razão, teve facilidade em criar o circuito do Indoor Center, de média velocidade, com duas retas de alta, e várias curvas, algumas bem fechadas e enjoadas, o que dava maior prazer para quem pilotava os karts, e também para o público que assistia as provas.

kart2

Além da pista, altamente competitiva, o espaço levou atrações extras, como um fórmula Chevrolet, que ficava em exposição no meio da pista (no alto).

Atrações extras

O espaço levou muitas atrações ao público santista. Nos primeiros meses, o público teve a oportunidade de ver de perto dois automóveis em exposição: um Fórmula Chevrolet utilizado no Campeonato Brasileiro da categoria e o Tigra, um esportivo fabricado na Europa pela Opel, importado pela General Motors do Brasil para estudo de mercado e eventual comercialização no Brasil.

O lugar também abrigava loja de conveniência – doces e guloseimas importadas, patins e equipamentos, bijuterias, roupas jovens e miniaturas. Existia ainda um balcão onde se criava a manchete de primeira página em um jornal da maneira que a pessoa quisesse. A ideia, trazida dos Estados Unidos por Orlando Lovechio Filho era outra atração local, assim como a lanchonete denominada “Stop’n Go”, onde tudo girava em torno do automobilismo. Esta ideia era do jovem Christian Sérgio Gonçalves, que modificou o tradicional e conhecido cardápio, criando um exclusivo, onde os sanduiches tinham nome de pilotos, mas como Ayrton Senna Nelson Piquet, Émerson Fittipaldi, José Carlos Pace, entre outros.

Campeões saíram deste espaço

O traçado do Indoor Center de Santos era considerado “super travado” pelos especialistas, com voltas executadas em torno de 25s. Dado o grau de dificuldade, ela gerou alguns grandes pilotos, como Rodrigo Cendon Orefice, que pilotou por muito tempo nesse indoor chegou a se tornar campeão brasileiro de kart. Outro grande piloto formado neste espaço foi Bruno Miranda, de enorme destaque nas pistas brasileiras.

Bruno Miranda foi um dos nomes que saíram deste kartódromo santista.

Bruno Miranda foi um dos nomes que saíram deste kartódromo santista.

Infelizmente, o espaço não durou muitos anos e deixou muitas saudades aos apaixonados pela velocidade e pelas pistas.

Outras pistas

Além da pioneira de Cubatão e da Indoor Center, a Baixada Santista chegou a ter outras pistas, como uma, também indoor, que havia na entrada da cidade de Santos, na Av. Martins Fontes. Havia as pistas do clube Guaiúba e outra pertencente à familia do piloto brasileiro Rubens Barrichello, ambas no Guarujá. Em São Vicente, havia a pista que foi montada em torno do Centro de Convenções e, finalmente, na Praia Grande, a o Litoral Plaza Shopping, considerada pelos especialistas como uma das melhores.

Chamada no jornal A Tribuna, anunciando a inauguração do Indoor Center.

Chamada no jornal A Tribuna, anunciando a inauguração do Indoor Center.

 

Deixe uma resposta