Primeiro teatro de Santos foi exclusivo por 50 anos

ribs

O teatro era tão modesto que para se sentar era necessário levar a cadeira de casa. Arte de Lauro Ribeiro da Silva, o Ribs, para o livro “Santos Noutros Tempos”, de Costa e Silva Sobrinho.

Lugar, apesar de modesto, recebeu grandes nomes, como o pianista norte-americano Louis Moreau Gottschalk, e foi palco do primeiro baile de Carnaval da cidade.

Santos, sábado, 8 de julho de 1848.  Dezenas de pessoas se aglomeravam no espaço dedicado à pequena plateia, ocupada por cadeiras dos mais variados tipos e formas. Tal diversidade podia ser facilmente explicada, uma vez que os assentos não pertenciam àquele lugar e, sim, haviam sido levados pelos próprios usuários daquele teatro tão pobre e desgastado, que qualquer encosto, a despeito do menor conforto que poderia oferecer, constituia-se num luxo raro. “Isso é privilégio exclusivo das melhores casas de espetáculo da capital”, diziam os cronistas de arte da época.

Apesar do incômodo local, a audiência santista era grande e animada. E motivos para tamanho entusiasmo não faltavam, afinal, a modesta cidade portuária paulista era brindada com o privilégio de recepcionar um reconhecido grupo de ópera estrangeiro, a Companhia Lírica Italiana, que ofertava seu talento ao povo de Santos após uma breve passagem pelo Rio de Janeiro.

Todos os presentes mostravam-se curiosos para ver de perto, com os próprios olhos, e ouvidos atentos, a celebrada soprano Augusta Candiani, protagonista da ópera em dois atos “Somnâmbula”, que alcançara grande sucesso no Teatro de São Pedro de Alcântara, na capital imperial.

O programa, porém, era ainda mais extenso, tendo em cartaz a opereta “Ana Bolena”, além das árias de Donizetti e Mercadante. Ao final do espetáculo, os santistas, extasiados com a boa música, recolhiam seus pertences para regressar às suas casas, levando, obviamente, de volta, as suas cadeiras. Os mais abastados, e preguiçosos, faziam uso de escravos para executar a tarefa. De certa forma, na volta ao conforto do lar, todos enfrentavam as brumas da noite através das velhas ruas de terra batida e pouco iluminadas.

O primeiro teatro santista

A cena até aqui descrita traduz simbologicamente como era a rotina da primeira casa teatral da cidade de Santos, instalada por volta de 1830 num velho casarão colonial construído com paredes de pedra e cal para servir originalmente de armazém, mas que também fez as vezes de hospital provisório para a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia, por vários anos entre 1775 e 1829 (em 1836, era inaugurado o terceiro hospital próprio da Irmandade, no pé do Morro do Fontana).

Além da ausência de cadeiras, o teatro pioneiro de Santos era iluminado a velas de cêra e candeias de azeite. Outro detalhe curioso é que durante a quaresma e nas noites de chuva não haviam espetáculos.

A chegada do teatro a Santos ocorreu justamente quando a até então pacata e histórica vila portuária retomava sua importância dentro do cenário brasileiro, tornando-se o principal meio de saída do valioso café para o mercado exterior. A população crescia a olhos vistos e novos meios de entretenimento eram, de certa forma, reivindicados pelos santistas e seus novos moradores. Quando a Irmandade da Santa Casa deixou o imóvel da esquina da bucólica Rua do Campo (atual Praça Mauá, no trecho de esquina com a Rua Riachuelo, do lado voltado para o Monte Serrat), ele fora logo ocupado e adaptado para se tornar uma casa de espetáculos.

Não há registros de quem fora o responsável pela implantação da primeira casa teatral de Santos, mas sabe-se que essa era a atividade do imóvel quando o mesmo foi vendido,  em 1859, ao empresário-ator Domingos Martins de Sousa. Na escritura lavrada a seu favor em 12 de novembro daquele ano, se lia: “Uma morada de casa térrea que presentemente serve de teatro, na Rua do Campo, com  cincoenta e sete palmos de frente e 25 braças de fundo, que vai até a Rua do Rosário (atual João Pessoa), dividindo de um lado com casas de José Carneiro, e do  outro lado faz canto para o beco do finado Antônio Cândido Xavier de Carvalho e Sousa”.

Cinco anos antes desta transação, o prédio chegou a sofrer uma pequena obra de conservação, tendo sua fachada frontal,  “toda pintada de novo, com um tom castanho de óleo a brilhar nas cinco portas

Martins de Sousa, um especialista do meio artístico, assumiu a atividade de entretenimento, celebrando logo um contrato de representação teatral com umacompanhia chamada “Diamantina”.

Única foto do primeiro teatro de Santos, tirada de 1865 por Militão Augusto de Azevedo. Imagem mostra também o chafariz do Largo da Coroação.

Única foto do primeiro teatro de Santos (prédio à direita), tirada de 1865 por Militão Augusto de Azevedo. Imagem mostra também o chafariz do Largo da Coroação.

Carnaval Santista nasceu no velho teatro

Um ano antes da venda do teatro do Largo da Coroação (nome que substituir a Rua do Campo, a partir de 1846), o local abrigara o primeiro baile de Carnaval da história da cidade, ocorrido em 14 de fevereiro de 1858, promovido pela então recém-criada Sociedade Carnavalesca Santista. A data é considerada por historiadores como o nascedouro da grande festa momística em Santos.

Decadente sem nunca ter sido pujante

Em 1875, o teatro, apesar de consolidado como referência para a agenda de espetáculos cênicos e musicais da cidade, ainda permanecia com as mesmas características sofríveis das décadas anteriores, com o agravante da piora de sua estrutura física. Em 17 de abril daquele ano, o jornal Diário de Santos, em seu editorial, alertava os cidadãos e autoridades para a “necessidade de um (novo) teatro” que estivesse à altura da expectativa e merecimento dos santistas. O “velho armazém do Largo da Coroação (novo nome da Rua do Campo, a partir de 1846) é um verdadeiro escárnio lançado à face da civilização”, criticava o periódico santista.

As condições restritivas do teatro faziam, muitas vezes, com que as peças fossem adaptadas, ou “mutiladas”, na voz crítica dos verdadeiros apreciadores da arte. O diminuto espaço reservado para os músicos também não oferecia condições para a plenitude do trabalho das orquestras.

Em 1876, a imprensa voltava à carga nas críticas ao estado do prédio, desta vez alertando que o mesmo poderia desabar. A notícia agitou a cidade e a Câmara acabou ordenando o novo proprietário do imóvel, o sr. Alexandre José da Silva,a tomar as providências cabíveis de reparo. Foi ainda enviado ao local um fiscal municipal e o mestre de obras Tomaz Antônio de Azevedo.

Após examinar minuciosamente a edificação, mestre Tomaz afirmou que não procediam os boatos veiculados pela imprensa e que a necessidade de reparos era mais estética do que estrutural. Porém, a boataria persistiu, afastando cada vez mais o público do local, apesar da programação cada vez mais intensa. O esvaziamento recorrente levou o teatro ao fechamento em definitivo, no ano de 1879.

O influente cidadão português, tabelião e corretor de café, Carlos Luiz de Affonseca (ele se tornaria prefeito de Santos em 1914), contando com 32 anos de idade quando do fechamento do teatro, publicou uma manifesto no Diário de Santos, à época, lamentando o fato e defendendo, ainda que utilizando de ironia, a única casa de espetáculos que havia na cidade:

O teatro não era lá para que digamos um primor de luxo e limpeza, não se podia mesmo comparar com a Grande Ópera de Paris, não senhor! Isso também seria avançar muito. Mas tinha plateia, duas ordens de camarotes, o competente palco e pano de boca, e nem lhe faltava a clássica caixa do ponto.

Diziam até que, se lhe faltavam algumas coisas que se encontravam nos teatros modernos, ele tinha outras, devido à sua avançada idade e ao horror invencível à água e à vassoura, que o acompanhavam de longa data, por exemplo – uma abundância de , agora sim, como hei de me exprimir de modo não ofender certos ouvidos de uma suscetibilidade extrema? Já sei! De insetos! Assim disse um sábio ainda há pouco tempo. Haviam, portanto, compensaçao, não acham?

Quem não tem cão, caça com gato

Apesar da “miséria esquálida”, rotulada pelo historiador Costa e Silva Sobrinho em sua análise sobre o primeiro teatro de Santos, o local foi o responsável por abrigar todos os grandes espetáculos ocorridos em Santos por praticamente cinquenta anos (1830-1879). Em 1862, por exemplo, a cidade recebeu a Companhia Dramática de Sales Guimarães e De Giovanni e também a Zarzuela Espanhola. O teatro também recebia inúmeros grupos amadores de Santos e São Vicente.

Gottschalk, o autor da "Grande Fantasia Triunfal Sobre o Hino Nacional Brasileiro”, esteve em Santos.

Gottschalk, o autor da “Grande Fantasia Triunfal Sobre o Hino Nacional Brasileiro”, esteve em Santos.

Famoso pianista internacional apresentou-se no velho teatro

Talvez a maior atração acolhida no palco do primeiro teatro da cidade tenha sido a acontecida no dia 6 de setembro de 1869. Nesta data esteve de passagem por Santos o famoso pianista e compositor norte americano Louis Moreau Gottschalk, tido como o mais importante músico dos teclados do mundo na década de 1860. Entre suas composições, a que alcançou maior destaque no Brasil foi a então recém criada “Grande Fantasia Triunfal Sobre o Hino Nacional Brasileiro”, dedicada à princesa Isabel, e que se tornara um sucesso na capital imperial meses antes da apresentação santista.

Casa cheia, Santos foi um palco especial para o norte-americano. Talvez uma de suas últimas lembranças felizes, antes de, desafortunadamente contrair malária, no Rio de Janeiro, onde acabou morrendo três meses depois, em 18 de dezembro daquele ano.

Pateadas

Ao contrário de Gottschalk, que foi ovacionado pelos santistas, houveram muitos grupos “pateados” (ruído que se faz com os pés nos espetáculos teatrais em sinal de reprovação) pelo público local. Essas reações começaram a ficar tão recorrentes, que certa vez um espectador, indignado, resolveu encaminhar para a imprensa uma carta, onde dizia: “Não pude aprovar certas pateadas que foram dadas por indivíduos na plateia, não só porque o teatro era particular, e não público, como porque, em atenção ao dia (7 de setembro), deveriam conter-se, e me pareceu que tais pateadas foram dadas de propósito para desanimar a Companhia”. Decerto o reclamante era um membro da referida trupe teatral, conhecedor das diferenças entre as casas de espetáculos do país.

Zombou da peça, do juiz  e acabou preso

Uma história curiosa foi registrada nos primórdios do primeiro teatro, em 26 de setembro de 1830. Neste dia, durante um espetáculo, ao mesmo tempo em que os atores se esforçavam para representar seus papéis, um sujeito zombava-os, com gracejos, arrancando os risos dos demais espectadores. Com o passar dos minutos, a graça deu lugar ao constrangimento e o zombeteiro passou a ser visto como somente mais um grosseirão querendo aparecer.

No dia seguinte, o juiz Fernando Pacheco Jordão, saindo da Alfândega em companhia do escrivão Antonio Cândido Xavier de Carvalho e Sousa, topou com o malcriado defronte às Casinhas, na Rua Setentrional (As Casinhas foram o primeiro conjunto de casas comerciais da história da cidade, onde se vendiam mantimentos, roupas e utensilios domésticos. A Rua Setentrional não mais existe. O local hoje é ocupado pela Praça da República, no trecho entre a Alfândega e o Conunto do Carmo).

O masgistrado, agindo de forma cavalheiresca, interpelou o sujeito, um inglês de nome Guilherme Hill, oficial de carpinteiro, reprimindo-o pelo comportamento da noite anterior. O bruto cidadão não se fez de rogado e vociferou, em alto e bom tom, que pouco se importava com a observação do juiz e que não tinha nenhum medo dele, dizendo-lhe que nada lhe poderia fazer em público e que não reconhecia, nele, uma autoridade.

Diante da reação destemperada do carpinteiro, o juiz Pacheco, deixou o cavalheirismo de lado e, apontando o dedo em riste a Guilheme Hill, proferiu algumas palavras enérgica e arrematou ao final: “e, espero, que lhe mostro”.

Em seguida, dirigiu-se à Cadeia (que ficava no final da rua, defronte ao Carmo) e lá mandou instaurar um inquérito. Depois de ouvir testemunhas, o juiz mandou o alcaide da vila, Bento Antonio do Carmo, prender o grosseirão, o que foi feito na manhã do dia seguinte.

Destino do velho teatro

Conforme aqui já narrado, o primeiro teatro de Santos encerrou suas atividades no ano de 1879. Naquele mesmo ano surgia a segunda casa de espetáculos da cidade, o Teatro do Rink (que também era precária). Em 1882, finalmente a cidade ganhava um espaço teatral de qualidade, com a inauguração do Guarany, cujas obras foram bancadas pelos empresários do setor cafeeiro, via Associação Comercial de Santos.

Quanto ao velho prédio do Largo da Coroação, após terem promovidos pequenos reparos, a edificação ainda serviu de armazém cafeeiro e, já no século XX, como filial das Casas Pernambucanas e Loja Duarte Pacheco, pioneira no ramo de material radiofônico. Demolida na década de 1940, acabou dando lugar ao Edifício Novo Mundo, atualmente no local.

Panorâmica da cidade de Santos em 1886, feita por Marc Ferrez. Junto à Praça Mauá, lá estava o velho teatro.

Panorâmica da cidade de Santos em 1886, feita por Marc Ferrez. Junto à Praça Mauá, lá estava o velho teatro.

Detalhe da foto de Ferrez. No centro da imagem, o primeiro teatro de Santos. Em 1886, ano da imagem, o prédio voltara a servir de armazém.

Detalhe da foto de Ferrez. No centro da imagem, o primeiro teatro de Santos. Em 1886, ano da imagem, o prédio voltara a servir de armazém.