Assis Chateaubriand, o “Chatô”, era dono de jornal em Santos

O extinto “O Diário”, de Santos, periódico ligado ao Grupo Diários Associados, de Assis Chateaubriand.

A cidade de Santos já possui diversos jornais, que circularam em profusão por aqui entre os anos 1920 e 1960. A maior parte, no entanto, teve vida efêmera, sucumbindo diante das dificuldades de mercado e da própria concorrência. Poucos, assim, foram os títulos que resistiram por mais de dez anos, deixando importantes marcas na história de Santos e região, como o caso do periódico “O Diário”, fundado inicialmente pelo Centro dos Comissários de Café de Santos, em 6 de janeiro de 1936, e tendo como acionista principal e diretor, o empresário Otávio de Andrade.

O órgão era essencialmente comercial e sua redação era comandada pelo jornalista Otávio Veiga.

Diários Associados

Em 1937, o periódico santista foi incorporado à rede dos “Diários Associados”, maior conglomerado de comunicação do país, dirigido pelo empresário e jornalista Assis Chateaubriand, o “Chatô”. Sua redação, administração e oficinas ocupavam dois casarões na rua do Comércio, nos nºs 9, 11, 13 e 15. A partir daí, “O Diário” se tornou um matutino de prestígio e popularidade, contando com profissionais de primeira linha, tanto na parte das oficinas, na administração e na redação, que abrigou nomes como Moisés Domingues de Azevedo, Armando de Oliveira, Oswaldo Aranha, Joaquim Leiva, Frederico Jacobsen, Jurandir Ferreira Neto, Laurindo Chaves e Paulo Freitas de Andrade.

“O Diário” de Santos teve, além de Otávio Veiga, nomes como os dos jornalistas José Laino Júnior, Wandick de Freitas, Antônio Barjas, P. Machado, Lima Sant’Ana, Moacir Dias Gnecco, Camilo, Geraldo Ferrone, Juarez Bahia, Eratóstenes Azevedo, Antônio Nunes, Jonas Priante, Aurelindo Teles, Antônio J. Brandão, Carlos Conde e Jorge Guerreiro, na posição de redator-secretário (equivalente ao cargo de diretor-chefe da redação).

Assis Chateaubriand, em 1957. Esta imagem é parte do Fundo Agência Nacional Série FOT Subsérie PPU

Em meados da década de 1960, o grupo Diários Associados começou a diminuir sua participação na mídia impressa, para se dedicar mais à mídia televisiva. Chateaubriand, à esta época, já estava bastante doente e totalmente fora das atividades de controle de sua empresa. Assim, em 17 de janeiro de 1967, mesmo contando com uma das melhores estruturas gráficas da região (o matutino dos Diários Associados dispunha de 11 linotipos e 2 rotativas), o jornal “O Diário” deixou de circular, deixando uma grande lacuna na história da imprensa da cidade de Santos.

Reportagem em “O Cruzeiro”

O Memória Santista, em suas constantes pesquisas nos acervos digitais de jornais e revistas por todo o país, deparou-se a uma curta reportagem de junho de 1940, publicada no famoso semanário “O Cruzeiro”, também pertencente aos “Diários Associados”. Ela versa sobre a visita de Assis Chateaubrian à cidade de Santos para a inauguração da nova rotativa do jornal “O Diário”. O equipamento, uma “Koenig e Bauer”, de origem alemã, era o mais avançado sistema de impressão de jornais à época. Esta empresa, aliás, fundada em 1817, em Würzburg, ainda está ativa e é considerada a mais antiga do ramo em funcionamento.

A seguir, a integra da reportagem da edição nº 36 (6 de julho de 1940), de O Cruzeiro, páginas 27 e 38.


 

Reportagem publicada em “O Cruzeiro”, de julho de 1940. Clique na imagem para vê-la maior.

DIÁRIO DE SANTOS INAUGURA SUA NOVA ROTATIVA

No dia 18 de junho de 1940, foi inaugurada, em Santos, a nova rotativa “Koenig e Bauer”, do “O Diário”, de Santos, um dos elos da cadeia dos “Diários Associados” no Estado Bandeirante.

As melhores perspectivas não faziam prever o brilhantismo da festividade, sendo, pois, sumamente confortadoras as provas de amizade e consideração de que foi alvo o referido “associado”, tanto por parte das autoridades civis como militares locais.

Cerca das 14h15 horas chegava ao campo da Base de Aviação Naval de Santos, na Bocaina, o avião particular do dr. Assis Chateaubriand, o “Antônio Raposo Tavares”, pilotado pelo sr. Renato Pedroso. O diretor dos “Diários Associados” foi recebido pelo comandante Antônio de Azevedo Castro Lima, comandante da Base Naval, e imediatamente ambos se dirigiram até a sede do “O Diário”.

Reunidas todas as autoridades presentes na redação do “O Diário”, usou a palavra o sr. Assis Chateaubriand, ao qual se seguiram vários oradores, tendo todos eles enaltecido a grandiosa obra de brasilidade desenvolvida pelos vários órgãos da “Cadeia” disseminados pela imensidade do território nacional.

O sr. Assis Chateaubriand convidou, a seguir, todos os presentes a visitarem as oficinas de “O Diário”, onde seria posta em movimento a rotativa, objetivo principal das solenidades.

Ao descerem todos os convidados para parte térrea de “O Diário”, o diretor dos “Diários Associados” convidou o sr. Oscar Sampaio, prefeito do Guarujá, a acionar a possante rotativa “Koenig e Bauer”. Ligada a chave, por aquele chefe do executivo da encantadora “Pérola do Atlântico”, a rotativa iniciou sua operação, e, dentro de poucos minutos todos os presentes recebiam em suas mãos os primeiros exemplares de “O Diário”, um jornal moderno,  movimentado e de ótima impressão, com rápida tiragem.

Terminada a experiência e feita a visita à parte onde está instalada nova fundidora automática de “O Diário”, voltaram todos os presentes a redação, onde foi oferecida farta mesa de doces e salgados, acompanhada de bebidas. Ao estourar da champanhe, o senhor Assis Chateaubriand ergueu um viva à prosperidade e à grandeza da cidade de Santos, que foi correspondido por todos os presentes