Os 200 anos de um velho casarão colonial


Imóvel particular mais antigo da história de Santos completou dois séculos em 2018.

Santos, 1818. A pacata vila litorânea paulista testemunhava um crescimento tímido, embora cercado de muita perspectiva, em razão da florescente atividade comercial que projetava-se auspiciosa para a província de São Paulo: a exportação de café. Os grãos pertencentes às primeiras safras colhidas na terra bandeirante circulavam abundantemente pelos trapiches e armazéns da vetusta vila santista, que iniciava, então, um lento processo de transformação. Novos casarões e sobrados comerciais surgiam na concorrida região do Valongo, oferecendo uma nova perspectiva urbana local.

Entre as novas construções, destacava-se um suntuoso casarão edificado na confluência das extintas ruas da Praia e da Alfândega (travessa), borda do trecho residencial mais nobre da vila. Em terreno de pouco mais de mil metros quadrados, o influente coronel José Antônio Vieira de Carvalho, governador da Fortaleza de Itapema, erguera sua elegante residência, registrada com o endereço Rua da Praia, casa 1.

Casamento concorrido e provável visita do príncipe regente

O casarão foi o centro das atenções da vila e seus habitantes no dia 4 de março de 1822, quando ali aconteceu o casamento mais concorrido de Santos à época: o de Ana Zeferina Vieira de Carvalho, de 25 anos de idade, filha do coronel; com o negociante lusitano Barnabé Francisco Vaz de Carvalhais, de 32 anos (ele nascera na Vila de Barcelos, Portugal). Conforme descreveu o historiador Costa e Silva Sobrinho, em seu livro Santos Noutros Tempos, “Ana Zeferina estava adorável sob o seu véu coroado de botões de laranjeira. E, junto dela, teso e pálido, o noivo escutava sem entender os latins rituais”.

Os novos cônjuges passaram, também, a morar no imóvel e é provável que tenham ajudado a recepcionar, nos dias que antecederam a Independência do Brasil, o futuro imperador, D. Pedro I, que permaneceu em Santos durante três dias, entre 5 e 7 de setembro de 1822. Afinal, a missão do até então príncipe regente na vila santista era justamente inspecionar as fortificações locais, entre elas o Forte Itapema, de responsabilidade do coronel Carvalho, a fim de verificar suas condições de uso para a eventual defesa da província no caso de retaliação por parte da Coroa Portuguesa (o que acabou não acontecendo) 

Quatro meses depois da passagem da comitiva de D. Pedro pela vila de Santos, o coronel Carvalho viria a falecer e deixar como herança à filha o sobradão da Rua da Praia (ele também tinha um filho, José Joaquim, três anos mais novo que Ana Zeferina, que recebeu de herança outras propriedades).

O Barão de Mauá foi dono do imóvel por duas décadas

O Banco Mauá

Na década de 1850, o famoso Barão de Mauá, Irineu Evangelista de Sousa, um dos responsáveis pela construção da estrada de ferro São Paulo Railway (Santos-Jundiaí), decidiu investir no setor bancário, criando uma instituição que levaria o seu nome: o Banco Mauá. Após abrir agências em quase todas as capitais do império, ele decidira instalar uma filial em Santos, e enviou proposta de compra do solar pertencente a Ana Zeferina e Barnabé, arrematando-o em 1858.

Mauá sabia que o local era estratégico para as operações do banco, já que situava-se na vizinhança de importantes consulados, como o italiano e o norte-americano, assim como da velha Alfândega de Santos. A trajetória do Banco Mauá, entretanto, não foi muito longa. O estabelecimento fecharia suas portas em 1875, após decretar falência. 

Maior baile da cidade no século 19

Com o encerramento das atividades da empresa bancária do Barão de Mauá, o imóvel da Rua da Praia ficaria sem uso comercial por alguns anos. O ex-gerente da agência, Antonio Freire Henriques, constituído administrador do espaço por irineu Evangelista até que celebrou alguns contratos de locação para o imóvel, mas todos muito curtos. Henriques, que fora um dos fundadores do Clube XV, chegou a organizar um baile de Carnaval no velho solar, em 1882, considerado um dos mais badalados da história da cidade. A festa foi assim registrada no extinto jornal Diário de Santos (edição de 6 de março):

“…Foi deslumbrante a Festa dos Meteoros, no Palacete Mauá, caprichosamente adornado desde o portão de entrada até o buffet, um verdadeiro bosque de flores e paineiras entrelaçadas, tudo iluminado por lanternas avenezianas. No salão de danças, muitas luzes, muitos espelhos e muitas flores… Ao primeiro número formaram-se logo sessenta pares da melhor elite! O serviço de buffet, a cargo do Hotel Central, foi de primeira ordem. O mais suntuoso e brilhante baile que temos assistido em nossa Cidade”.

Na foto mais antiga que se tem do imóvel, de 1865, tirada por Militão Augusto de Azevedo, o casarão, então ocupado pelo Banco Mauá, aparece ao lado do extinto Hotel Palm.

A Hard Hand

Em 1904, o casarão foi adquirido e ocupado pela empresa norte-americana Hard Hand Exportadora e Importadora S/A, que expandiu sua área construindo armazéns de café no seu entorno. Ao longo dos anos, o imóvel foi sofrendo várias modificações, a maior parte interna, para atender as necessidades da empresa. 

Em 1965, a Hard Hand foi nacionalizada e adquirida por seus funcionários. Em abril de 1969, o controle acionário passou às mãos de um grupo liderado por Julio Pereira Júnior. Com a paralização das atividades da empresa, em 1977, ele acabou por comprar definitivamente o imóvel.

Em 2002, o velho casarão colonial serviu de inspiração para o evento Casa Natal, e foi totalmente redecorado.

Uma atração santista

Por ser o único sobrevivente privado do período colonial, o casarão ganhou aura de atração e passou a ser desejado por diversos promotores de eventos. Os proprietários aproveitaram a onda e abriram as portas do imóvel para ações como a Casa Natal, edição de 2002. O prédio também serviu de set de gravação para a minissérie da Rede Globo, “Um Só Coração”, em 2003.  Até mesmo a Prefeitura formalizou parceria com o espaço, ali promovendo o Festival Caros Amigos, em 2005, e eventos do Fundo Social de Solidariedade, a partir daquele mesmo ano. Atualmente o casarão abriga uma casa noturna, o que, de certa forma, trouxe de volta ao espaço a sua essência de espaço festivo.

Este belo quadro mostra o casarão ao lado da Bolsa do Café, sua vizinha desde 1922.