Floriano Peixoto, 100 anos como rua, 50 como avenida

Uma grande curiosidade da memória santista em termos de logradouros públicos é a história da Avenida Marechal Floriano Peixoto. A partir de meados do Século XIX, a cidade de Santos, que se concentrava basicamente no atual Centro Histórico, começou a se expandir timidamente para os lados da orla, com o surgimento de chácaras e alguns casebres de madeira. Por volta de 1880, os santistas, em busca de fontes alternativas para o abastecimento de água potável (as que existiam ao longo do Morro de São Bento e Monte Serrat já se encontravam em estado lamentável), começaram a buscá-la na Cachoeira do José Menino, conduzindo o precioso líquido até a cidade por meio de uma extensa rede de canos, que ia do morro até a altura da atual avenida Conselheiro Nébias (na época chamada de Octaviana) e, de lá, para o Centro, onde desaguava nos chafarizes. O traçado dos canos pelo atual trecho do Gonzaga fez nascer um caminho de terra, que todos se convencionaram a chamar de Rua do Encanamento.

A partir de 1912, o espaço compreendido entre a Praça Marechal Deodoro (atual Praça Independência) e a Avenida Bernardino de Campos, recebeu grandes melhorias, graças à doação de terrenos à municipalidade, por parte dos herdeiros da família Backheuser.  Esse foi o impulso que faltava para que a via começasse a abrigar casas residenciais e comerciais. Dois anos depois, em 27 de maio de 1914, o vereador Benedito Pinheiro apresentou um Projeto de Lei, durante a sessão ordinária da Câmara Municipal, sugerindo a substituição do nome da Rua do Encanamento (naquele trecho), para que se chamasse Rua Marechal Floriano Peixoto. A proposta foi aprovada por unanimidade pelos colegas de Câmara.

O pedaço entre a Bernardino de Campos e a Pinheiro Machado, entretanto, manteve o nome anterior, só modificado em 6 de março de 1923, pela Lei 686, assinada pelo vice-prefeito de Santos à época  (no exercício do cargo titular),  Arnaldo Ferreira de Aguiar. Com este ato, a Floriano Peixoto como conhecemos passou a existir.

Por muitos anos, o logradouro serviu como artéria viária para a expansão santista. Pela sua importância, em 25 de maio de 1964, ou seja, no seu cinquentenário, a Rua Marechal Floriano Peixoto subiu um degrau e se tornou “avenida”, graças à Lei 2.822, de autoria do então prefeito José Gomes.

Em 1987, a Avenida Marechal Floriano Peixoto foi o centro das atenções por receber o primeiro Shopping moderno da cidade, o Miramar. Hoje, 100 anos depois de seu nascimento, a via ainda mantém viva a sua importância para o desenvolvimento de Santos.

Floriano Peixoto nos anos  1940

Floriano Peixoto nos anos 1940

One Comment

on “Floriano Peixoto, 100 anos como rua, 50 como avenida
One Comment on “Floriano Peixoto, 100 anos como rua, 50 como avenida

Deixe uma resposta