Série Bondes: Os anos de ouro dos bondes e o carril articulado

O Bonde Y trafegava pela Pinheiro Machado e Gonzaga, com ponto final na Praça Ruy Barbosa.

As décadas de 1920 e 1930 foram as mais promissoras para os bondes de Santos, assim como para a própria cidade, que viveu nos anos 20 o auge nas exportações de café, o que gerou um crescimento sem precedentes na história local. Com a franca expansão santista, milhares de pessoas passaram a morar em locais distantes dos tradicionais pontos da cidade e foi o bonde o ator principal desta mudança de vida. Para atender esta demanda potencial, diversas linhas foram criadas a partir de 1921, e com carros cada vez de maior capacidade de passageiros. Além disso, surgiram vários tipos de carris, para todos os gostos (aberto, reboque, camarão, articulado).

Em 16 de fevereiro de 1924, surgia o primeiro lote de bondes com 60 lugares, um verdadeiro luxo para a época. Pouco tempo depois chegavam mais carros, rapidamente disponibilizados para atender as recém criadas linhas rápidas da City (empresa concessionária do serviço de transporte coletivo de Santos). Foi neste período que se criaram as rotas expressas, como a Linha “X”, conhecida como Expresso Canal 5, que transitava pela Bartolomeu de Gusmão. Havia também a Linha “Y”, Gonzaga, que trafegava pelo Canal 1, Pinheiro Machado, e, finalmente, a Linha “N” (linha noturna), que circulava das 0h40 às 4h20, partindo da Praça Rui Barbosa, passando pela Praça da República, rua Senador Feijó, avenidas Ana Costa, Vicente de Carvalho e Conselheiro Nébias. Tal rota era bastante conhecida e se tornara famosa pelo apelido: “Linha dos Boêmios”.

Bonde articulado

Em 1936, a City passou a aproveitar algumas carcaças encostadas pelo pátio para transformar os bondes de 45 lugares em carros duplos, batizados como “articulados”, montados sobre a plataforma dos dois carris. Entre os carros havia um truck de ligação. Assim, o articulado apresentava três jogos de trucks. Os novos bondes foram pintados de branco e marrom e possuíam capacidade para abrigar 90 passageiros. O primeiro dos “superbondes” a estrear foi o número 300, seguido, logo depois, pelo 302. Juntos, adotaram pioneiramente, na época, o freio por ar comprimido, fornecido pela English Eletric Company.

Quem viveu esta época sabe do glamour que foi andar de bonde pela cidade.

O bonde articulado, criado a partir da criatividade da City, com velhos bondes de 45 lugares.

O bonde articulado, criado a partir da criatividade da City, com velhos bondes de 45 lugares.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta