Livro raro de assinaturas registra evento em homenagem à posse do prefeito Antônio Gomide Ribeiro dos Santos, em 1941

Primeira página do caderno traz uma carta dos santistas ao então interventor do Estado, Fernando Costa.

Primeira página do caderno traz uma carta dos santistas ao então interventor do Estado, Fernando Costa. CLIQUE AQUI PARA VER PDF COMPLETO DO LIVRO

Em meio aos milhares de livros e documentos que fazem parte dos acervos históricos mais importantes da cidade, não é muito difícil encontramos algumas curiosidades. É o caso de um pequeno caderno de assinaturas, encadernado, pertencente ao acervo do Instituto Histórico e Geográfico de Santos, que registrou a homenagem da sociedade santista ao então prefeito de Santos (recém empossado para sua terceira gestão), dr. Antonio Gomide Ribeiro dos Santos. O evento, ocorrido na forma de almoço festivo, aconteceu no dia 15 de setembro de 1941, no salão nobre do Parque Balneário Hotel. O novo chefe do executivo santista havia tomado posse do cargo em 01 de julho.

Histórico

Antonio Gomide Ribeiro dos Santos (nascido em 11 de dezembro de 1888, na capital paulista) era engenheiro civil, formado pela Escola Politécnica de São Paulo. Após ter se graduado, tomou o rumo de Santos, onde foi contratado para trabalhar no setor de obras da Prefeitura, chegando ao cargo de diretor depois de quase 20 anos de casa.

Querido pelo funcionalismo santista e conhecido por sua competência técnica e comprometimento, Ribeiro dos Santos foi alçado à condição de prefeito municipal pela primeira vez, embora de forma interina, em abril de 1935, em substituição ao titular, o urbanista Aristides Bastos Machado, que se licenciara do posto para disputar a eleição ao cargo de deputado estadual (na época era permitido esse movimento). Em 13 de agosto de 1936, Gomide devolveria a função a Aristides.

A segunda oportunidade em que Gomide teve a primazia de ser o chefe do executivo santista aconteceu em janeiro de 1938, em razão do pedido de exoneração do então prefeito Antonio Iguatemi Martins Júnior, que se aborrecera com os diversos problemas inerentes à sua função. Vale dizer que tanto Aristides quanto Iguatemi haviam sido indicados pelo interventor do Estado e não eleitos pelo voto popular (Santos havia perdido sua autonomia política por conta do Golpe de 1930, impetrado por Getúlio Vargas. Em 1936, a cidade chegou a recuperar o direito de poder eleger os membros da Câmara Municipal, mas não o prefeito, que só pode voltar a ser escolhido pela população santista em 1953)

Essa segunda gestão seria ainda mais curta, já que em maio de 1938, Ribeiro dos Santos retornaria ao seu posto como diretor de Obras da Prefeitura. Na condição de prefeito municipal, tomava posse, então, o advogado e professor de Direito Civil, dr. Cyro de Athayde Carneiro, que ficaria no cargo até julho de 1941, ocasião em que disponibilizava seu lugar justamente para Ribeiro dos Santos que, desta vez, não fora convocado como mero substituto, mas com a oportunidade de fazer uma gestão totalmente sua.

Antônio Gomide foi brindado com a oportunidade a convite do então interventor do Estado, dr. Fernando de Souza Costa (Lembrando que desde 24 de outubro de 1930, o estado bandeirante, assim como todos os outros do país, era comandado por figuras nomeadas pelo presidente Getúlio Vargas, que tomou o poder no Golpe de Estado de 1930).

Foto oficial do prefeito Antonio Gomide Ribeiro dos Santos, feita pelo fotógrafo Boris Kauffmann.

Foto oficial do prefeito Antonio Gomide Ribeiro dos Santos, feita pelo fotógrafo Boris Kauffmann.

Nome aprovado

Apesar de não possuir o direito de escolher o próprio prefeito, os santistas apreciaram muito a indicação do engenheiro Antônio Gomide para o cargo. Ele era reconhecidamente capaz de conduzir os rumos da cidade naqueles tempos conturbados, de Guerra na Europa (Segunda Grande Guerra Mundial – 1939/1945).

Por isso, a sociedade local, satisfeita com o novo prefeito, resolveu lhe conferir uma homenagem, que acabou registrada no caderno depositado no acervo do Instituto Histórico e Geográfico de Santos (que fora fundado em janeiro de 1938).

O caderno

O material contém 60 páginas e traz um carimbo da Livraria Correia Leite, localizado na sala 09 do Fórum de Santos (importante ressaltar que o Fórum, nos anos 1940, ficava na antiga Casa de Câmara e Cadeia). É provável que o material tenha sido comprado ou doado ao instituto histórico. O livro traz em sua abertura uma mensagem dirigida ao interventor federal no Estado de São Paulo, dr. Fernando Costa, com os seguintes dizeres:

“Exmo. Sr. Dr. Fernando Costa.

DD Interventor Federal

Reunidos em homenagem a Antônio Gomide Ribeiro dos Santos, o cidadão e engenheiro ilustre cujo descortínio e probidade V.Excia. acertadamente entregou a Prefeitura Municipal de Santos, os seus amigos e admiradores, abaixo assinados, têm a honra de saudar o notável estadista que ora nobremente dirige o Estado de São Paulo, e fazem-no efusivamente por este meio, entre manifestações as mais espontâneas de jubilo e apreço, pela obra de superior visão e patriotismo que está realizando por São Paulo e pelo Brasil!

Santos, 14 de setembro de 1941

A Comissão

Monsenhor Luiz Gonzaga Rizzo (vigário geral); Dr. João Cardoso de Mendonça (engenheiro); Dr. Constâncio Vaz Guimarães (advogado); Dr. Eduardo Correa da Costa Júnior (engenheiro); Dr. Inácio Pascoal Bastos (advogado); Dr. Mário Graccho (médico); Dr. Antônio Martins Teixeira (engenheiro); João Mesquita (comissário de café); Antonio Ribeirão (comerciante); Dr. Arthur Domingues Pinto (médico); Reynaldo Negrão (corretor de café); Ulisses Guimarães (comissário de café); Dr. Clóvis de Lacerda (médico), Comandante Esculápio Cesar de Paiva (contra almirante); Michel Alca (tabelião); Persio Martins (comissário de café); Eduardo Vaz (despachante aduaneiro); Herculano Craveiro Júnior (comerciário); Francisco Lourenço Gomes (comerciante); Gustavo Martini (comerciante) e comendador Aristides Cabrera da Cunha (comerciante).”

Na sequência, vem uma série de folhas com assinaturas originais; a cópia do discurso proferido pelo sr. Eduardo Correa da Costa e do próprio homenageado, seguido de imagens fotográficas do novo prefeito e os registros do evento em si. Ao final, o caderno traz recortes originais dos jornais “O Diário”, “Diário da Noite”, “A Gazeta”, “Correio de Santos”, “Correio da Tarde”, “O Estado de São Paulo”, “A Tribuna”, “Correio Paulistano” e “Diário de São Paulo”.

Gomide Ribeiros dos Santos, ao lado da esposa, recebe seus amigos na bela homenagem realizada no Hotel Parque Balneário. As assinaturas de todos os presentes foram para o caderno.

Gomide Ribeiros dos Santos, ao lado da esposa, recebe seus amigos na bela homenagem realizada no Hotel Parque Balneário. As assinaturas de todos os presentes foram para o caderno.

Realizações

O prefeito Antônio Gomide Ribeiros dos Santos deixou grandes marcas na cidade durante sua gestão. Ele inaugurou espaços até hoje simbólicos, como o Aquário Municipal e o Orquidário. Foi no seu período que aconteceu a obra de abertura da avenida almirante Saldanha da Gama, quando surgiram as famosas muretas dos canais (um dos símbolos atuais da cidade).

HOMENAGEM AO DR. ANTONIO PREFEITO DE SANTOS 1941_PAGE_87-001

Eduardo Correa da Costa profere o discurso em homenagem ao engenheiro e novo prefeito, Antônio Gomide Ribeiro dos Santos.

O novo prefeito também discursou, agradecendo o carinho e a confiança em seu trabalho.

O novo prefeito também discursou, agradecendo o carinho e a confiança em seu trabalho.

O salão nobre do Parque Balneário Hotel ficou lotado para a homenagem ao prefeito.

O salão nobre do Parque Balneário Hotel ficou lotado para a homenagem ao prefeito.

Representantes de entidades, comércio, profissionais liberais, entre outros cidadãos compuseram os grupos em homenagem ao prefeito.

Representantes de entidades, comércio, profissionais liberais, entre outros cidadãos compuseram os grupos em homenagem ao prefeito.

Antonio Gomide e sua esposa registram cenas com os mentores da homenagem.

Antonio Gomide e sua esposa registram cenas com os mentores da homenagem.