Risco iminente: Ilha Barnabé é chamada de “barril de pólvora” pelos santistas desde os anos 1930.

Incêndio de 1998 provocou apreensão aos moradores de Santos.

Santos, 3 de setembro de 1998. Eram 10 horas da manhã de um quinta-feira ensolarada, mais um dia de labor intenso na zona do cais santista, quando, em meio ao vai-e-vem de navios, caminhões, composições ferroviárias e guindastes dos mais variados tipos, a rotina do porto era brutalmente alterada por um incidente aparentemente pequeno e isolado, mas que suscitou em centenas, senão milhares de santistas, um medo terrível, angustiante: o de ver a cidade “voar pelos ares”.

O ponto de partida do drama que agitou o porto naquele dia aconteceu durante uma simples operação de descarga de produtos químicos inflamáveis (naquele caso, o diciclopentadieno, uma espécie de solvente usado na fabricação de tintas), a partir de um dos tanques-reservatórios pertencentes à Brasterminais, na Ilha Barnabé. O veículo que recebia o produto já contava com algumas toneladas do material quando, de repente, verificou-se um vazamento a partir de uma das casas de bombas do complexo. Bastou uma pequena fagulha, provocada por causas até hoje não conclusivas, para desencadear um dos incêndios mais tensos já vistos na história de Santos.

Em questão de segundos, o fogo atingiu o caminhão-tanque e o revestimento externo de dois reservatórios. Uma quantidade razoável do produto também vazou para as águas do estuário, em chamas, fazendo surgir uma enorme coluna de fumaça, que pôs em alerta todos os que estavam na margem oposta da Ilha Barnabé. Muitos dos santistas que estavam no Centro da cidade, assustados, fecharam seus escritórios e comércio, a fim de “fugirem” para a zona da orla, ou seja, para o mais distante possível do local potencialmente atingível por uma catástrofe de grandes dimensões.

Faca no pescoço

A tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, ocorrida recentemente, expõe a triste realidade das comunidades que vivem com a “faca no pescoço”, ou “em cima de um barril de pólvora”, expressões que caracterizam o sentimento de quem mora ao lado do perigo.

Nota de jornal que deu conta do início das operações com combustíveis na Ilha Barnabé.

A Baixada Santista, em especial após a implantação do Polo Petroquímico Siderúrgico de Cubatão, a partir dos anos 1950, deixou de ser uma área “tranquila”, ocupada basicamente por mangues, bananais e densa vegetação de mata atlântica, para se tornar uma espécie de “campo minado”, abrigando centenas de quilômetros de dutos subterrâneos (passagem de petróleo, combustíveis, gás natural e produtos químicos diversos) e tanques reservatórios (com o mesmo material), além das unidades (fábricas e refinarias) que manipulam tais produtos.

Com o tempo, os moradores da Baixada Santista começaram a criar ideias e situações de fobia, que se tornaram inquietações constantes, como as que garantiam que Cubatão iria para os ares caso as chamas produzidas pelas torres de queima de gases da Refinaria Presidente Bernardes se apagassem

Em Santos, o risco iminente era, sem sombra de dúvida, a Ilha Barnabé e seus temíveis tanques de combustíveis e produtos químicos. Desde

1930, quando o terminal foi criado, o receio da população santista era que, se houvesse um incêndio no local, pouca coisa sobraria do atual Centro Histórico. Para os especialistas, aquele era um medo exagerado, pois tamanha catástrofe só poderia se materializar se os gases e produtos químicos fossem armazenados sob alta pressão, o que jamais fora o caso dos terminais do porto santista.

Ilha de Pólvora

A primeira sensação de perigo sentida em relação à Ilha Barnabé aconteceu em 24 de janeiro de 1951, quando o navio petroleiro “Cerro Gordo”, lotado de petróleo bruto, querosene e gasolina de aviação, pegou fogo a poucos metros dos tanques reservatórios locais. A embarcação, de cor cinza, chegou a ficar totalmente vermelha devido às chamas. Entretanto, a brigada de incêndio do porto foi ligeira, conseguindo retirar o navio do seu berço de atracação, levando-o para o centro do canal do estuário, onde foi possível combater o fogo com mais segurança. No tempo em que se desenrolou a operação, do lado do Centro de Santos, muitas pessoas cruzavam os dedos para que o incêndio não atingisse os tanques de combustíveis da ilha, o que desencadearia, na imaginação de muitos, uma explosão de dimensões catastróficas, envolvendo boa parte da urbe santista. A partir deste incidente, o local ganharia o apelido de “Ilha da Pólvora”

Incêndio no petroleiro “Cerro Gordo”, de 1951, foi o primeiro grande sinistro que envolveu os tanques da Ilha Barnabé.

Em 2 de setembro de 1969, ocorrera um “repeteco” do fato, desta vez protagonizado pelo petroleiro “Guaporé” que, da mesma forma, incendiou-se nas proximidades da Ilha Barnabé, obrigando a brigada de bombeiros do porto a promover o resfriamento de vários tanques de estocagem. Em 29 de julho de 1974, uma explosão mecânica derramou 3.150 mil litros de tolueno no canal do estuário, causando grande impacto ambiental e provocando a morte de um operário.

Os fantasmas da Vila Socó

Para reforçar o receio da explosão da Ilha Barnabé, os santistas testemunharam atônitos a dolorosa tragédia de fevereiro de 1984, que vitimou fatalmente 93 pessoas (números oficiais. Números extraoficiais dão conta de 500 mortos) na extinta Vila Socó, em Cubatão. A partir dali, o protocolo de segurança mudou radicalmente no que se referia ao sistema de dutos da região.

Porém, esse arroxo na fiscalização não impediu o povo de Santos deixar de lado sua preocupação em relação à Ilha Barnabé, que voltou a assustar a cidade nas primeiras horas da manhã do dia 10 de outubro de 1991, ocasião em que um raio atingiu um tanque de acetato de vinila e acrilonitrila, provocando um incêndio que chamou a atenção de toda a região, com labaredas de fogo que alcançaram a altura de 30 metros. O maior risco era o fogo se espalhar por outros 132 tanques reservatórios. Felizmente, o incêndio foi controlado, após seis horas de trabalho, com o saldo de apenas dois tanques atingidos.

Em 1991, um raio atingiu um tanque de acetato de vinila e acrilonitrila, provocando um incêndio que chamou a atenção de toda a região, com labaredas de fogo que alcançaram a altura de 30 metros.

Depois de 1998, o caso mais assustador e que trouxe à tona os fantasmas da Vila Socó aconteceu em abril de 2015, quando um incêndio de grandes proporções atingiu seis tanques de combustíveis da Ultracargo, no bairro da Alemoa. Os bombeiros levaram sete dias para extinguir o fogo por completo, colocando este sinistro como o maior incêndio do gênero já registrado no Brasil. Naquela fatídica semana, o perigo de uma tragédia ainda maior insistiu em rodear o cotidiano da cidade.

Santos já teve de lidar em sua história com diversos casos de tragédias, em especial desbarrancamentos de morros provocados por chuvas e as epidemias registradas na segunda metade do século 19. Agora, sob as sombras da catástrofe de Brumadinho, se vê diante da desconhecida experiência da cava subaquática de Cubatão, que parece ser mais um barril de pólvora regional, tão amedrontador quanto foi (e, para muitos, ainda é) a Ilha Barnabé.

Curiosidades

Gasômetro

Outro barril de pólvora famoso na cidade foi o Gasômetro, que explodiu em 9 de janeiro de 1967. Não foi registrado nenhum tipo de vítima fatal.

Ilha Barnabé começou suas operações em 1930

A Cia Docas de Santos criou o terminal da Ilha Barnabé em 1930, para as operações de estocagem de combustíveis, bem antes da chegada da Petrobrás na região. O local armazenava gasolina, querosene e gás. O primeiro navio a atracar e operar foi o dinamarquês “México”, procedente de Port Arthur, com gasolina.

Cenas do incêndio de 1991.

Em 1998, boa parte do produto escorreu para o canal do estuário, em chamas, aumentando a impressão dos santistas pela catástrofe iminente.

Os bombeiros tiveram muito trabalho para conter as chamas no incêndio de 1998.